Loading... (0%)

10 Filmes de Super-Heróis que nunca veremos

05 setembro 2011

10 /// Liga da Justiça de George Miller

Esse foi um dos projetos cinematográficos mais controversos e confusos que se tem notícia nos últimos anos. Em 2007, após o sucesso de Batman Begins e do fracasso de Superman Returns a Warner bem que tentou sair na frente da Marvel Studios ao lançar um filme do maior grupo de super-heróis dos quadrinhos, mas como todos sabem, o projeto falhou.

O diretor George Miller, de Mad Max, era o encarregado de tocar o projeto que, segundo ele, seria uma mistura de live-action, animação em CGI e captura de movimentos. O elenco chegou a ser contratado (todos ilustres desconhecidos) e cenários construídos na Austrália, onde o longa seria rodado. A poucas semanas do início das filmagens o projeto que reuniria nas telas Superman, Batman, Flash, Lanterna Verde, Mulher Maravilha, Aquaman e Ajax, foi cancelado, atores e equipe técnica dispensados e poucas explicações dadas.

9 /// Mulher Maravilha de Joss Whedon

Muito antes de Joss Whedon estar envolvido com a adaptação de Os Vingadores ele escreveu e iria dirigir um longa da Mulher Maravilha. Whedon chegou a dizer que não gostava da personagem mas que foi convencido por Joe Silver, famoso produtor americano, e se apaixonou pelo projeto. O cineasta prometia levar a amazona de volta a suas origens e fazer um filme de época, passado nos anos 40, quando a heroína surgiu nos quadrinhos.

Depois de muito tempo sem se falar no projeto, ele acabou caindo no limbo. Whedon e Silver volta e meia voltavam a mídia com declarações sobre o filme mas, aparentemente não conseguiram apoio interno do estúdio para tocar o projeto. Um cartaz promocional chegou a  ser lançado e várias atrizes cogitadas para o papel, entre elas Angelina Jolie, Megan Fox e Beyonce Knowles, mas o filme acabou cancelado.

8 /// Superman vs Batman de Wolfgang Petersen

Em 2001 quando o Batman de Christopher Nolan e o Superman de Bryan Singer ainda não haviam ganho sinal verde para produção, outro projeto era tratado como prioridade na Warner: Superman vs Batman.

Considerado muito sombrio por vários executivos o longa não seria uma história de origem. O roteiro de  Andrew Kevin Walker mostrava o Batman/Bruce Wayne aposentado, depois das mortes de Alfred e Robin, e prestes a se casar com Julie Madison. O Coringa, antes dado como morto, mataria Julie e faria com que Batman voltasse à ativa, dessa vez muito mais violento e descontrolado. De outro lado mostraria Superman sendo convocado a deter a ameaça em que Batman se tornou e tendo suas ações manipuladas por Lex Luthor, preso em uma cadeia de segurança máxima. Depois que Batman constrói uma armadura com fragmentos de kryptonita, e travam uma grande batalha, percebem que Luthor e o Coringa orquestraram a morte de Julie para que os maiores heróis do mundo se matassem.

O filme seria dirigido por Wolfgang Petersen, de Tróia e Mar em Fúria, e chegou a ser anunciado para o verão de 2004. Os atores que viveriam os heróis nunca foram divulgados mas boatos apontavam Jude Law ou  Josh Hartnett como Superman, e para o papel de Batman, Colin Farrell, Paul Rudd ou Christian Bale que acabou sendo escalado para Batman Begins.

7 /// Wolverine de Daren Aronofsky

Há anos que Daren Aronofsky é objeto de desejo de quem produz um filme de super-herói. Depois de estar vinculado por muito tempo ao reboot de Batman, ele deixou o projeto, dando lugar a Christopher Nolan. Anos depois havia sido anunciado como diretor do novo Robocop, para em seguida também deixar a produção, agora nas mãos do brasileiro José Padilha. Com The Wolverine, continuação de X-Men Origens: Wolverine, parecia que a história seria diferente. O cineasta deu várias entrevistas como diretor do filme, contou uma série de percepções a respeito do personagem que deixaram a mídia especializada e os fãs empolgadíssimos. Parecia que depois de Nolan teríamos outro grande nome do cinema “autoral” ligado a uma superprodução vinda dos quadrinhos. Pois não foi dessa vez. Com a pré-produção bem avançada Aronofsky alegou que a distância da família impossibilitaria sua participação no projeto, que agora está nas mãos de James Mangold.

 6 /// Lanterna Verde com Jack Black

Por volta de 2006 já se falava em um longa metragem com o herói Lanterna Verde. Mas antes do filme que estreou há pouco nos cinemas, uma versão cômica do personagem era especulada e o papel principal seria de Jack Black.

O roteiro escrito por Robert Smigel, de Zohan – O Agente Bom de Corte, mostrava o anel caindo nas mãos de Kyle Rayner, um cara desastrado que certamente “aprontaria as maiores confusões com uma turma de patrulheiros intergalácticos do barulho”. O projeto acabou morrendo quando a Warner preferiu seguir uma linha mais convencional para o Lanterna, lançando o filme de Martin Campbell com Ryan Reynolds no papel principal.

Mas vendo o que foi o filme de 2011 dá pra pensar se ver Jack Black como Lanterna Verde seria realmente pior do que o que foi lançado.

5 /// Homem-Aranha de James Cameron

Antes de ganhar seu Oscar por Titanic ou de quebrar todos os recordes do cinema com seu Avatar, James Cameron era o diretor responsável por levar o Homem-Aranha para as telonas. Ao que tudo indica a visão de Cameron para o amigão da vizinhança era bem diferente do que acabamos vendo 10 anos depois quando o filme foi finalmente lançado, com Sam Raimi na direção.

No roteiro o aranha roubava, matava (acidentalmente) um criminoso e fazia sexo com Mary Jane no topo do Empire State.  O cineasta, que havia escolhido Electro e Homem-Areia para serem os vilões, encontrou resistência do estúdio e da Marvel para colocar sua visão do personagem em prática. Se quiser conferir o roteiro e storyboard do roteiro, é só clicar aqui.

O filme mudou de mãos e passou anos sendo pensado por Chris Columbus, diretor dos dois primeiros Harry Potter, para em seguida cair no colo de Raimi. Depois do encerramento da trilogia e do anúncio de que nem Raimi, nem Tobey Maguire voltariam à franquia, James Cameron foi novamente procurado mas esnobou o projeto do reboot, que agora é dirigido por Marc Webb.

4 /// O Quarteto Fantástico Proibido

Aqui está um projeto que não só entrou em produção como foi filmado e só teve seu lançamento cancelado pela Marvel por pura vergonha do que se tornou o produto final. Nos final dos anos 80 a empresa alemã Neue Constantin Films comprou os direitos de filmagem do Quarteto Fantástico. Depois de muitas tentativas frustradas de arrecadar dinheiro para realizar o filme, a produtora estava prestes a perder a concessão de direitos caso não filmasse “alguma coisa”. Então com suados U$1,5 milhões gastos em 25 dias de filmagem o infame  Roger Corman entregou um dos filmes mais toscos que você poderá ver. O filme nunca foi lançado mas está disponível completo no YouTube. Confira o trailer.

3 /// Watchmen de Terry Gillian

Quem lê as declarações duras e rabugentas de Alan Moore hoje em dia, não imagina que o autor/bruxo inglês não só incentivava como deu palpites de elenco para a adaptação de Watchmen para o cinema. No início dos anos 90 o produtor Joe Silver e a Fox compraram os direitos de adaptação da graphic novel que revolucionou as histórias de super-heróis. Em entrevista a revista Comics Scene, Moore sugeriu Robert De Niro para viver Nite Owl e Jessica Lange para Silk Spectre, enquanto o produtor Joe Silver queria Arnold Schwarzenegger para Dr. Manhattan.

Mas talvez o que indicava que uma boa adaptação seria feita era a presença do talentosíssimo Terry Gillian na direção. Depois do sucesso dos longas do grupo inglês Monty Phyton, do qual fazia parte, o cineasta já era conhecido por seu apuro visual e formas inventivas de contar histórias. Gillian é um apaixonado por projetos impossíveis, vide seu Dom Quixote, e Watchmen acabou sendo mais um deles.

2 /// Superman de Tim Burton

Depois do sucesso de Batman, de 1989, e Batman O Retorno, de 1992, Tim Burton foi imediatamente lembrado para trazer de volta aos cinemas o maior herói da editora DC: Superman. Então, por volta de 1997, Burton iniciou a pré-produção intitulada Superman Lives, com roteiro do über nerd Kevin Smith. O roteirista anos depois veio a público contar das sucessivas interferências dos produtores e de Burton, que tinha uma visão totalmente deturpada do herói.

Na história Brainiac seria um computador ultra-inteligente criado por Jor-El, que abandona o projeto quando nasce seu filho, Kal-El. A inteligência artificial então, por ciúmes, seria responsável pela destruição de Krypton. Na Terra Kal-El, interpretado por Nicolas Cage, usaria um uniforme negro e teria uma personalidade homicida, além disso seus poderes seriam parcos e ele usaria um “supermóvel” para se locomover. Brainiac viria a nosso mundo para se fundir a Lex Luthor, formando uma entidade chamada Lexiac que criaria Apocalypse, criatura que viria a matar Superman para que este voltasse dos mortos em seguida. Em resumo a história é uma salada tão grande que fica difícil imaginar um filme com tantos acontecimentos absurdos em apenas 2h. Depois de quase um ano de pré-produção a Warner resolveu cancelar o projeto. Veja abaixo um vídeo contendo fotos de teste da roupa/armadura de Superman Lives.

1 /// Batman de Orson Welles

Pode se dizer que as grandes produções de super-heróis para o cinema começaram no final dos anos 70 com o Superman de Richard Donner. Mas e se um grande cineasta tivesse se interessado por criar filmes baseados em quadrinhos 30 anos antes? Pois há algum tempo rodou na internet uma coluna escrita pelo quadrinista Mark Millar, que alegava ter recebido material privilegiado de um escritor que organizava a biografia do radialista/cienasta. Este material conteria o roteiro de um filme do homem-morcego, bem como desenhos de produção e informações sobre o elenco. O projeto teria sido abandonado pois Welles queria, além de dirigir, protagonizar o filme, no papel de Bruce Wayne/Batman.

Imaginem que hoje o mundo dos quadrinhos e cinema poderiam ter tomado um rumo totalmente diferente caso um nome importante da indústria tivesse voltado os olhos para essas histórias em 1946. Com certeza o engajamento de Welles faria com que muitos outros grandes nomes dessem suas interpretações cinematográficas para os heróis dos quadrinhos, o que poderia ter alterado drasticamente todo esse nicho de entretenimento.

Tudo seria muito interessante, caso não fosse apenas um boato criado pelo marketeiro Millar. O escritor de quadrinhos parodiou um dos episódios mais famosos da carreira de Orson Welles, quando ele leu em seu programa de rádio trechos do livro Guerra dos Mundos, causando pânico nas cidades americanas. Tanto faz se estamos nos anos 30 ou nos 2.000, as pessoas continuam tomando por verdade tudo aquilo que ouvem no rádio, assistem na TV ou leêm na internet, e esse era o ponto que Mark Millar queria provar. Como qualquer boato na internet ele ganhou ares de verdade e até um trailer fallso foi montado. Assista abaixo.

Marton Santos

Editor do Papricast. Paga no máximo 50 pratas por uma foto do Homem-Aranha cometendo algum crime.